Prevenção e Controle de Infecção

Antibioticoprofilaxia cirúrgica

Diretrizes:

  • Infecção de sitio cirúrgico continua sendo uma das causas mais comuns de complicações cirúrgicas
  • A oportunidade de administrar Antibioticoprofilaxia é amplamente reconhecida por reduzir as infecções pós cirúrgicas.
  • O uso de antibióticos prolongado ou uso inadequado de antibióticos de amplo aspecto pode colocar os pacientes em risco adicional devido ao desenvolvimento de cepas resistentes aos antibióticos.
  • O Hospital Santa Marta dispõe de um protocolo (elaborado com o Serviço de o Controle de Infecção Hospitalar) para administrar agentes antimicrobianos com fins profiláticos até 60 minutos antes de incisão cirúrgica.
  • A administração de antibióticos profiláticos deve ser interrompida 24 horas após o procedimento cirúrgico.

 

Higiene das mãos

Diretrizes:

  • Deve estar localizado o mais próximo possível (conforme permitam os recursos) de onde ocorre o contato com o paciente. As diretrizes da Organização Mundial de Saúde sobre higiene das mãos exigem que o álcool gel esteja em até um metro de distância de onde o atendimento está sendo prestado.
  • Em organizações de saúde, há um apoio cada vez maior à proposta de colocar álcool gel a beira do leito para servir como lembrete aos colaboradores. Os prestadores de serviços também podem levar consigo álcool gel.

 

Conformidade com as práticas de higiene das mãos

Diretrizes:

  • A higiene das mãos é considerada a maneira mais importante de reduzir infecções associadas ao atendimento de saúde.
  • A medição da conformidade com as práticas de higiene das mãos permite que as organizações melhorem o treinamento sobre higiene das mãos, avaliem as instalações, determinem o padrão de referência e diminuam o número de infecções.
  • O melhor método para medir a conformidade com as práticas de higiene das mãos é usar a observação direta, que envolve observar e registrar o comportamento dos colaboradores quanto a higiene das mãos e seu ambiente de trabalho dentre os cinco momentos:

1.Antes do contato inicial como paciente ou seu ambiente

2.Antes de um procedimento limpo/asséptico

3.Após o risco de exposição a fluidos corporais

4.Após tocar um paciente

5.Após contatos com superfícies próximas ao cliente

  • As organizações devem considerar pedir que os pacientes (e suas famílias) meçam a conformidade dos colaboradores com as práticas de higiene das mãos garantindo empoderamento ao mesmo.

 

Treinamento sobre higiene das mãos

Diretrizes:

  • O treinamento sobre higiene das mãos é multimodal e abrange a importância da higiene das mãos em:

1) prevenir transmissão de microrganismos,

2) fatores que influenciam o comportamento de higiene das mãos,

3) técnicas de higiene adequada das mãos.

4) Momentos para higienização das mãos

 

Diretrizes de prevenção e controle de infecção

  • O desenvolvimento e a implementação de diretrizes abrangentes de prevenção e controle de infecção reduz os riscos de infecções associadas ao atendimento de saúde e contribuem para a segurança do paciente.
  • Os padrões incluem critérios sobre práticas de higiene das mãos; precauções adicionais; técnicas assépticas ao realizar procedimentos invasivos e manusear produtos injetáveis; uso de EPI adequados; manuseio de itens contaminados.

 

Taxas de infecção

Diretrizes:

  • O Hospital Santa Marta rastreia infecções associadas ao atendimento de saúde, analisa as informações para identificar surtos e tendências, e compartilha essas informações com toda a instituição.
  • Os colaboradores que estão bem informados sobre as taxas de infecção geralmente estão bem mais equipados para prevenir e gerenciar infecções.
  • Além dos colaboradores e dos prestadores de serviços, a organização também mantém a alta administração atualizada sobre as taxas de infecção e as questões de prevenção e controle de infecções associadas.

Reprocessamento

Diretrizes:

  • O reprocessamento inclui limpeza, desinfecção e esterilização, e o nível de reprocessamento usando depende do risco de infecção associado com o uso dos dispositivos/equipamentos.
  • O monitoramento das etapas de reprocessamento ajuda as organizações a identificar áreas de melhoria e reduzir as infecções associadas ao atendimento de saúde.
  • Estes são alguns exemplos de métodos para medir a eficácia do reprocessamento: monitoramento da qualidade da água e função de lavagem; medição de resíduos orgânicos, adenosina trifosfato (ATP) e contagem bacteriana total.
  • As organizações reprocessam os dispositivos/equipamentos de acordo com as instruções dos fabricantes.

 

Práticas seguras para uso de medicamentos injetáveis

Diretrizes:

  • A Organização Mundial da Saúde recomenda uma estratégia em três partes para práticas seguras no uso de medicamentos injetáveis: mudar o comportamento do paciente e dos trabalhador de saúde; garantir a disponibilidade de dispositivos de injeção seguros; e gestão segura e adequada de resíduos.
  • Eliminar o uso de medicamentos injetáveis desnecessários é a prioridade mais alta para evitar infecções associadas a este procedimento.
  • Quando o medicamento injetável é clinicamente indicado, as melhores práticas de controle de infecção recomendam um dispositivo novo e de uso único para cada aplicação e para a reconstituição de medicamento.
  • As seringas com recurso de prevenção de reutilização (ou seja, autodestivação) oferecem o mais alto nível de segurança.

© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados ao Hospital Santa Marta/DF | RT. Dr. Roberto Abreu - CRM/DF - 6460
CNPJ: 00.610.980.0001-44