Comunicação

Papel do paciente e família na segurança

Diretrizes:

  • Pacientes e familiares tem um papel importante na prevenção de eventos. Suas perguntas e comentários geralmente são uma boa fonte de informações sobre riscos e erros, e questões de segurança.
  • Pacientes e familiares podem desempenhar esse papel quando são incluídos e tem um envolvimento ativo no método do atendimento/tratamento.
  • As organizações elaboram matérias relacionados com questões de segurança e fornecem orientação e direção para as questões e os tópicos a serem abordados durante o atendimento.

 

Identificação do Paciente

Diretrizes:

  • O Hospital Santa Marta possui um método de identificação do paciente que utiliza pulseiras, prontuários, quadros de identificação, etiquetas, códigos de barras e medicações.
  • Os profissionais utilizam dois métodos de confirmação: nome completo do paciente e data de nascimento e nome da mãe. A partir daí que poderá fornecer qualquer serviço, como admissão, realização de exames, transferência do paciente: administração de medicação e realização de procedimentos.
  • Esta ROP é para garantir a identificação correta do paciente e evitar os erros assistenciais.
  • A Segurança do Paciente em Primeiro Lugar.
  • Nome completo do paciente, data de nascimento e nome da mãe são os identificadores utilizados como padrão na instituição

Abreviações perigosas

Diretrizes:

  • Erros de medicação representam a maior fonte identificada de eventos evitáveis.
  • Abreviações mal-entendidas podem resultar em erros de omissão, doses extras ou incorretas, administração do fármaco errado ou da maneira errada. Isso pode levar a um aumento do período da internação, mais testes de diagnósticos e mudanças no tratamento medicamentoso.
  • O Hospital Santa Marta segue a lista “NÃO USAR”, que inclui abreviações, símbolos e designações de doses conforme identificados pela “Lista de abreviações, símbolos e designações de doses passíveis de erro” do ISMP (Instituto de Práticas Seguras no Uso de Medicamentos).
  • As únicas abreviações permitidas estão disponíveis em siglário padronizado, disponível na intranet para acesso e consulta livre, conforme a necessidade.

 

Reconciliação medicamentosa

Diretrizes:

  • Reconciliação medicamentosa é um método estruturado em que os profissionais junto com os pacientes, familiares e cuidadores realizam uma exata e completa analise e ajustes dos medicamentos nas transições do cuidado.
  • A evidencia mostra que a reconciliação medicamentosa reduz as discrepâncias potenciais de medicação, como omissões, duplicações e erros de dosagem, e o custo-efetividade também demonstraram que a reconciliação medicamentosa é uma estratégia extremamente rentável para a prevenção de erros de medicação.
  • Consiste na obtenção de uma lista completa, precisa e atualizada dos medicamentos que cada paciente utiliza em casa. Esta lista deve ser comparada com as prescrições médicas feitas na admissão, transferência, consultas ambulatoriais e alta hospitalar visando asseguras a terapêutica do tratamento individualizado.
  • Fazer Reconciliação Medicamentosa auxilia na:
    • Prevenção de eventos adversos relacionados a medicamentos;
    • Redução de erros de medicação: transcrição, duplicidade ou falta do medicamento na prescrição;
    • Redução da permanência no hospital.

 

Práticas de Segurança na assistência cirúrgica

Diretrizes:

  • A lista de verificação de segurança cirúrgica da Organização Mundial da Saúde identifica três etapas no procedimento: antes da indução da anestesia (início da cirurgia), antes da incisão da pele (“time out”, pausa para verificação final antes da cirurgia) e antes de o paciente sair da sala de cirurgia (termino da cirurgia).
  • Em cada fase, o coordenador da lista de verificação deve confirmar que a equipe cirúrgica realizou as tarefas listadas antes de proceder a operação.
  • O website da Organização Mundial da Saude disponibiliza mais informações em uma publicação chamada Cirurgia Segura Salva Vidas: www.who.int/patientsafety/safesurgery/em/. Clique aqui e confira uma cópia da lista de verificação. 

  • A verificação pré-operatória é um método ativo de coleta de informações para garantir que informações ausentes ou discrepantes serão tratadas antes do início do procedimento. O propósito da verificação pré-operatória é garantir que todos os documentos, informações e instrumental pertinentes estejam: disponíveis e corretamente identificados, rotulados e adequados para o paciente.
  • A verificação no Peri operatório também deve garantir que o procedimento seja avaliado e esteja consistente com as expectativas do paciente e a compreensão da equipe quanto ao procedimento e sitio cirúrgico pretendidos.
  • A demarcação correta do sitio cirúrgico envolve distinguir a lateralidade (esquerda/direita), estruturas múltiplas ou múltiplos níveis (coluna vertebral).
  • O ‘time out’ ou pausa é uma verificação de segurança final; um momento em que nenhuma atividade clinica está ocorrendo de forma que as equipes cirúrgica, de enfermagem e de anestesia podem verificar, no mínimo, se o nome e identificador e a posição do paciente estão corretos, e quaisquer implantes/equipamentos necessários para a cirurgia.

 

Transferência de informações nas transições do cuidado

Diretrizes:

  • Os pontos de transição são definidos como transferências no atendimento de um paciente, entre colaboradores, entre turnos, entre métodos, para a responsabilidade de outro profissional de saúde.
  • Informações importantes a serem transferidas durante o período da assistência devem incluir: estado do paciente, seus medicamentos, planos de tratamento e mudanças substanciais em seu estado de saúde, bem como os seus diagnósticos, seus planos de tratamento, medicamentos e resultados de exames.
  • A técnica SBAR (situação, informações básicas, avaliação, recomendação) é uma abordagem padronizada para a transferência de informações do paciente. O SBAR é uma técnica de comunicação estruturada concebida para se passar muita informação de forma sucinta e breve. ‘Situação’ refere-se a uma declaração concisa de problema; ‘Background’ (informações básicas) requer informações breves e pertinentes relacionadas a situação; ‘Avaliação’ envolve a análise e consideração das opções; e ‘Recomendação’ indica a solicitação ou ação recomendada.
  • Uma transferência padronizada de informações do paciente pode incluir formulários e checklists. Um exemplo de formulário utilizando a técnica de SBAR está disponível no website do institute for Healtcare Improvement (Instituto para a Melhoria da Assistência á Saúde).

 


© Copyright 2019 - Todos os Direitos Reservados ao Hospital Santa Marta/DF | RT. Dr. Roberto Abreu - CRM/DF - 6460
CNPJ: 00.610.980.0001-44